Skip directly to content

Vacina da febre aftosa vai até 30 de julho e brucelose até 15 de agosto no Pantanal

Data: 
09/07/2018 - 14:15
Vacina contra aftosa vai até 30 de julho

 

Campo Grande

Atendendo a um pedido dos pecuaristas da região do Pantanal, por meio do Sindicato Rural de Corumbá e da Famasul (Federação de Agricultura de Mato Grosso do Sul), foi prorrogado por meio de Portaria da Iagro (Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal ), publicada no Diário Oficial do Estado, a vacinação contra febre aftosa e brucelose do rebanho naquela área.

Devido às cheias da região do Pantanal, que impossibilitam o manejo adequado do rebanho para realização da vacinação contra a febre aftosa dentro do período estipulado inicialmente, o prazo de vacinação dos animais mudou para até dia 30 de julho de 2018. O período para o registro da vacinação no sistema também foi estendido para 15 de agosto.

Da mesma forma, e pelos mesmos motivos, a Iagro também prorrogou a vacinação contra a brucelose na região do Pantanal. Os pecuaristas têm até 15 de agosto para vacinar e registrar a vacinação no sistema.

A decisão, que vem ao encontro com a demanda dos pecuaristas da região não se estende à vacinação nas propriedades das regiões sanitárias do Planalto e Fronteira, que tiveram prazo até dia 15 de junho para vacinação e período de registro no sistema até 30 de junho. 

Confira:

Região do Planalto – vacinação até 15 de junho e registro até 30 de junho;

Região da Fronteira – vacinação até 15 de junho e registro até 30 de junho;

Região do Pantanal – vacinação prorrogada para 30 de julho e registro até 15 de agosto.

Segundo o diretor-presidente da Iagro, Luciano Chiochetta, que no primeiro semestre deste ano esteve na Bolívia, em Paris e, recentemente, em Cuiabá discutindo as ações para retirada definitiva da vacinação contra a febre aftosa no Brasil, Mato Grosso do Sul cumpre o seu papel garantindo excelentes números e manterá a média, que é superior a 99% do rebanho vacinado.

Mato Grosso do Sul

O rebanho do Estado soma 21 milhões de cabeças de bovinos e bubalinos e a meta do governo estadual é vacinar 99% dos animais, embora a exigência dos órgãos sanitários seja atingir no mínimo 80%.

Garantir a meta estadual de vacinação do rebanho é importante para assegurar o status de zona livre de febre aftosa com vacinação, que o País conquistou recentemente e que deve ampliar o leque de oportunidades de negócios com a carne bovina do Brasil, que hoje já chega a 150 países.

Mato Grosso do Sul tem um rebanho altamente produtivo (reduziu em dois milhões de hectares a área de pastagem, mas mantém o volume de abate), é líder no abate de bezerros com até 24 meses de idade e tem carne de qualidade comprovada.